Guitarra - Guilherme Degani - www.falamaestro.com.br

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Dicas & Toques
Foto: Bijou Monteiro
Quer tocar guitarra? O Prof. Guilherme Degani, nesta entrevista para a nossa web revista Fala Maestro, traz informações importantes para você.

1. No que difere o estudo da Guitarra em relação ao Violão?
R. No estudo de música popular, no começo, em nada. São os mesmos exercícios de postura das mãos, formação de acordes, conhecimento das notas musicais no braço do instrumento. Assim que o aluno tem uma certa prática nesses quesitos, o direcionamento de repertório, as articulações, o estudo dos timbres e funções do instrumento num contexto de banda, mudam e se concentram no universo da guitarra elétrica.

2. Quando se deve utilizar palheta e quando é melhor utilizar os próprios dedos para tocar guitarra?
R. Não existe uma regra. Há guitarristas que tocam com dedos e violonistas que tocam de palheta (raros, mas existem). Isso depende da adaptação e conforto do aluno em relação a postura com o instrumento e do gosto para com as sonoridades.

 
3. De quanto em quanto tempo deve ser trocado o encordoamento de uma guitarra?
R. Também não há regras. Depende de quanto o instrumento é usado e de quanto o mão do instrumentista sua. O ideal é perceber quando o brilho do som das cordas desaparece, isso é o primeiro sinal. Mas também vai do gosto do instrumentista, se ele prefere um som com mais brilho ou mais opaco.

4. Para quem quer tocar um determinado gênero musical existe um tipo específico de encordoamento ou isso depende do próprio instrumentista, da sua maneira de tocar?
R. Não. Não existe especificidade de encordoamento em relação ao estilo musical. Depende do instrumentista, do restante do equipamento e da sua maneira de tocar.


5. Qual é a primeira lição para quem quer tocar guitarra?
R. Acho que é igual a de todos os outros instrumentos: Saber “pegar”. Postura, colocação das mãos e dedos.

6. Para quem quer aprender a improvisar, criando solos sobre uma determinada sequência de acordes, qual é o melhor caminho?
R. Estudar, estudar, estudar, ouvir, ouvir, ouvir, estudar, estudar, estudar… Persistência. Ninguém criou um solo de primeira e ficou genial. É um aprendizado diário.

7. As guitarras fabricadas no Brasil são de boa qualidade?
R. Para um iniciante/intermediário, sim. Para um profissional com uma demanda grande, deixam a desejar. As de Luthier costumam ser melhores por serem feitas a mão e com madeira selecionada, mas as peças são todas importadas.


8. Que produto deve ser utilizado para limpar uma guitarra?
R. Para limpar as cordas, papel higiênico (a flanela apenas espalha a sujeira). Para o corpo existem produtos específicos para essa limpeza. O importante é não ser abrasivo.

9. Os canhotos devem comprar guitarras especiais ou podem ser as mesmas utilizadas pelos destros.
R. Se o individuo tiver a oportunidade de comprar, sim.  Devido ao conforto (distribuição e alcance de botões, chaves e etc). O design da guitarra tem toda uma lógica. Claro que dá apenas pra inverter as cordas (ou não) e tocar, mas o ideal é um instrumento para canhoto mesmo.

10. Quais são os campos de trabalho para quem quer se tornar um músico profissional, um guitarrista?
R. São muitos. E extremamente concorridos. Professor, side man (quando se acompanha algum artista), guitarrista de estúdio, arranjador, produtor. Hoje em dia o músico, de qualquer instrumento, tem que ser versátil, compromissado, pontual, dedicado e atualizado.

Prof. Guilherme Degani, formado no curso de MPB/Jazz no Conservatório de Tatuí (CDMCC) e bacharel em guitarra pela Faculdade Cantareira.

Contatos:
Tom sobre Tom - Escola de Música
Rua Inácio Pereira da Rocha, 127, Pinheiros, São Paulo, SP.
e-mail: escolatomsobretom@gmail.com
 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal